terça-feira, 7 de abril de 2009

DEBATER: AINDA A VIDEOVIGILÂNCIA URBANA

Entre os custos e os benefícios da colocação das câmaras de videovigilância nas ruas e ouros locais: Lido no DN

"Sequestro escapou à videovigilância
As câmaras de videovigilância da Ponte 25 de Abril podem não ter captado o sequestro que aconteceu na madrugada de domingo em pleno tabuleiro. As câmaras só gravam quando há problemas de fluidez de trânsito.

Os criminosos simularam um acidente em pleno tabuleiro, no sentido norte-sul, obrigando um homem que seguia na sua viatura a parar para os auxiliar.
Quando se aproximou foi imediatamente ameaçado com armas e levado pelos agressores no seu próprio carro. Foi violentamente espancado, roubado e largado em Sassoeiros, Cascais.
Apesar da ponte estar equipada com um sistema de videovigilância com nove câmaras de filmar - duas das Estradas de Portugal e sete da Lusoponte - os protocolos que permitem a gravação das imagens apenas prevêem essa acção quando há problemas relacionados com a fluidez de tráfego.

No caso do crime de sequestro, ou de qualquer outro crime que ocorra naquele local, só seria gravado se, naquele preciso momento essa imagem estivesse a ser transmitida para o Centro de Operações e a ser visionada por um dos técnicos".

QUESTÕES:


Enviar um comentário