domingo, 17 de maio de 2009

IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA E PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE



Recomendação da Comissão, de 12 de Maio de 2009
relativa à aplicação dos princípios de protecção da privacidade e dos dados nas aplicações assentes na identificação por radiofrequências [notificada com o número C(2009) 3200].

Tais preocupações devem-se ao facto de a identificação por radiofrequências (RFID) marcar uma nova etapa na sociedade da informação, em que a presença de objectos equipados com dispositivos microelectrónicos capazes de tratar dados automaticamente se fará sentir cada vez mais na vida quotidiana nas mais diversas áreas de vida quotidiana: a logística, os cuidados de saúde, os transportes públicos, o comércio retalhista, nomeadamente para melhorar a segurança dos produtos e tornar mais rápida a retirada de produtos do mercado, o lazer, o trabalho, a gestão das portagens rodoviárias, a gestão das bagagens e os documentos de viagem.



No entanto, a identificação por radiofrequência pode ser utilizada, de igual modo, para tratar dados referentes a pessoas, desde a data de nascimento a dados biométricos, ao que acresce a circunstância de os dispositivos de RFID poderem estar em qualquer lado e passarem absolutamente desapercebidos, podendo ser pratcamente invisíveis.

PARA SABER MAIS; LER; por exemplo, AQUI
Enviar um comentário