sexta-feira, 26 de abril de 2013

RELATÓRIO SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS - ONU


Distr.: Geral
23 de agosto de 2006 Original: inglês


Direitos da criança
Distr.: Geral
23 de agosto de 2006 Original: inglês
A/61/
page1image3592

page1image4144
Relatório do especialista independente para o Estudo das Nações Unidas sobre a Violência Contra Crianças**

Observação do Secretário-Geral

O Secretário-Geral tem a honra de transmitir aos membros da Assembleia Geral o relatório do especialista independente sobre o Estudo das Nações Unidas sobre a Violência Contra Crianças, Paulo Sérgio Pinheiro, apresentado de acordo com a resolução 60/231 da Assembléia Geral.
O Secretário-Geral confia que a Assembleia Geral considerará detalhadamente este estudo e os mecanismos necessários para acompanhar e monitorar a implementação das conclusões e recomendações que ela adoptará em relação e este importante tema.


Resumo

"Este relatório, que se baseia no estudo aprofundado realizado por Paulo Sérgio Pinheiro, especialista independente designado para esse fim pelo Secretário-Geral de acordo com a resolução 57/90 de 2002 da Assembléia Geral, apresenta uma visão global da violência contra crianças e propõe recomendações para prevenirmos e lidarmos com essa questão. Ele fornece informações sobre a incidência de diversos tipos de violência contra crianças dentro de suas família, escolas, instituições assistenciais alternativas, instituições de privação de liberdade, locais nos quais elas trabalham e comunidades. O relatório é acompanhado por um livro que apresenta uma narrativa mais detalhada do Estudo.

O Estudo foi elaborado a partir de um processo participativo que incluiu consultas regionais, sub-regionais e nacionais, reuniões temáticas entre especialistas e visitas de campo. Muitos governos também forneceram respostas abrangentes a um questionário que lhes foi passado pelo especialista independente em 2004.

O especialista independente agradece o amplo apoio prestado ao seu trabalho por governos, organismos regionais e intergovernamentais, órgãos das Nações Unidas, organizações da sociedade civil e crianças".


Enviar um comentário