sábado, 12 de outubro de 2013

MENORES INFRACTORES: A VOZ ...





Depoimentos de 180 adolescentes que cumprem medidas socioeducativas em regime fechado e aberto nos estados do Ceará, Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte e Pará estão reunidos no livro Vozes. “Acho que Justiça é quando a gente paga pelo que faz. Se fazemos algo bom, algo bom recebemos. Se fazemos algo ruim, pagamos caro por isso”, afirma João Paulo, de 13 anos de idade, na publicação. Com a utilização de nomes fictícios escolhidos pelos próprios jovens, a fim de garantir a proteção de quem participou do projeto, eles relatam experiências reais com o sistema socioeducativo brasileiro.

Os adolescentes foram ouvidos sobre diversos temas que envolvem o funcionamento da Justiça, durante a realização de oficinas nas quais tiveram a oportunidade de revelar o que pensam sobre: justiça, ato infracional, aplicação e execução das medidas socioeducativas, processo contínuo de socialização e educação, proteção e práticas restaurativas. As ilustrações foram feitas por eles mesmos, ao se manifestarem por meio de imagens e grafites. Fotografias, que também estão na publicação, registraram os encontros e os desenhos produzidos, primando-se pela não identificação e segurança dos adolescentes, conforme estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Para continuar a ler o artigo, clicar aqui.

Para ver a reportagem, clicar aqui.

Enviar um comentário