segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

NOVAS REGRAS PARA PAGAMENTOS E TRANSFERÊNCIAS BANCÁRIAS

fonte: Notícias ao minuto 

Legislação Novas regras para pagamentos eletrónicos entram hoje em vigor


As novas regras abrangem todos os utilizadores, sejam particulares, empresas, associações e autarquias, com as operações bancárias comuns, como as transferências, os débitos diretos, os pagamentos de salários, de quotas, as cobranças por débito direto em conta, entre outras, terão de passar a ser feitas de acordo com os requisitos e procedimentos estabelecidos pela União Europeia.
Deste modo, e em virtude do prazo adicional de seis meses que foi concedido pelas autoridades europeias de forma a possibilitar que tudo esteja a postos para o processamento das operações dentro dos modelos de pagamento SEPA, a partir de 1 de agosto, o Banco de Portugal vai descontinuar os atuais sistemas das transferências eletrónicas interbancários e dos débitos diretos nacionais.
Assim, a partir dessa data, apenas será possível utilizar os modelos de pagamento SEPA para a realização dessas operações de pagamento.

"As instituições e utilizadores que não tenham procedido à migração para estes novos mecanismos deixam de poder realizar essas operações", alertou recentemente em comunicado a Associação Portuguesa de Bancos (APB).

Segundo Hugo Oliveira, responsável pelas vendas do segmento de médias empresas da Sage, uma das empresas europeias de desenvolvimento de 'software' de pagamentos eletrónicos SEPA, este sistema "significa mais rapidez, logo, mais negócio e mais lucro" para as empresas, explicando que "os benefícios não são iguais para todas as empresas, pois depende se se tratam de empresas que apenas operam no mercado local ou em mercados estrangeiros, bem como se têm um negócio com cobrança por débitos diretos ou não".
Na prática, são as empresas com operações internacionais na área do euro as principais beneficiadas com a SEPA, já que verão os seus custos com pagamentos eletrónicos significativamente reduzidos, além da simplificação dos processos.
Já as empresas que concentram a sua atividade exclusivamente nos seus mercados nacionais não terão, num primeiro momento, grande perceção das vantagens da SEPA, ainda que o diretor da Sage Portugal saliente que esta pode ser uma oportunidade para apostarem nos seus próprios processos de internacionalização.

Este responsável, fez, a pedido da agência Lusa, uma lista das principais novidades:
+++ Standarização dos processos que ficam otimizados
+++ Maior informação transmitida entre os vários intervenientes
+++ Facilidade de centralização de tesourarias (fábricas de pagamento)
+++ Redução de custos com as operações de pagamentos (pagamentos ao estrangeiro com o mesmo custo dos pagamentos locais)
+++ Acesso a mercados novos no espaço SEPA
+++ Globalização dos bancos locais
+++ Menor complexidade nos pagamentos
+++ Maior transparência nos processos de pagamentos
+++ Melhor gestão nos processos de gestão de fluxos financeiros das empresas
+++ Melhoria da gestão de tesouraria e liquidez
+++ Redução do número de bancos com que uma empresa trabalha
+++ Redução drástica dos prazos de pagamento
Enviar um comentário