sábado, 6 de junho de 2015

Ainda a discussão sobre a eutanásia - TEDH validou decisão francesa de conceder eutanásia passiva a doente tetraplégico

Tribunal Europeu a favor da eutanásia para tetraplégico em estado vegetativo

A família de Lambert está dividida e os pais, católicos, garantem que vão continuar a combater a decisão.
A Justiça europeia validou esta sexta-feira uma decisão francesa que permite o fim da alimentação artificial e da hidratação do paraplégico em estado vegetativo Vincent Lambert. Depois de dois anos de polémica familiar, o caso parecia encerrado, mas pode não ser assim — os pais de Lambert anunciaram que vão usar “todos os meios” para evitar a sua morte.
Vincent Lambert sofreu um acidente de viação em 2008, tendo ficado tetraplégico e com lesões cerebrais graves; está hospitalizado em Reims. Em Junho do ano passado, e a pedido da mulher de Lambert, Rachel, de seis dos seus oito irmãos e de alguns sobrinhos, o Conselho de Estado da França, a última instância de recurso do país, considerou que é uma “obstinação irracional” manter a vida de Vincent. E que, por isso, os mecanismos de alimentação e de hidratação artificiais deveriam ser desligados - a chamada "eutanásia passiva", sendo a activa aquela em que é necessário administrar ao paciente um agente tóxico. Segundo a mulher de Vincent Lambert, o marido expressara o desejo de não viver artificialmente, se alguma vez ficasse na situação em que se encontra.
Mas os seus pais e dois dos irmãos, descritos pela imprensa francesa como profundamente católicos, apelaram ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Consideram que Lambert é um deficiente e que tem o direito de continuar a viver.
Enviar um comentário